O BIM e sua consequência para a construção

Tempo de leitura:  < de 4 minutos.

Temas abordados: Inovação na construção, BIM, Estratégia BIM BR, Tendências para o setor.

É inegável o impacto que a tecnologia provoca, cada vez mais, no nosso cotidiano. Esse avanço já atingiu todos os setores da economia, transformando os processos e as relações de negócio, e criando demandas e requisitos, que resultaram em novos mercados e uma transformação na relação do fornecedor com o cliente. 

O setor da construção civil, mesmo sendo um dos que menos inovou no decorrer das últimas décadas, vem apresentando mudanças que podem modificar a maneira como é encarado o desenvolvimento de um empreendimento. Michel Temer, ex-presidente do Brasil, assinou no dia 17 de maio de 2018 o Decreto 9377, documento que serviu como base para a implementação da Estratégia BIM BR. O objetivo dessa estratégia é disseminar os conhecimentos e aplicações referentes a metodologia BIM, seguindo moldes similares ao aplicado em outra países, como a Government Construction Strategy (Reino Unido, 2011)

Mas o que é BIM? Segundo o próprio documento assinado pelo ex-presidente, BIM (Building Information Modeling, ou Modelagem da Informação da Construção) é uma metodologia de trabalho que possibilita ganhos significativos para o setor da construção. O mesmo cita números, que giram em torno de uma redução de 20% do tempo no desenvolvimento de projetos e uma redução de cerca de 10% do custo total da construção, em níveis avançados de implementação da metodologia. Outros benefícios, esses citados pela estratégia do Reino Unido, são a redução de desperdícios e ineficiência, o estímulo à inovação e a criação de novas oportunidades.

Mas como esse número poderão ser alcançados? Bom, a metodologia envolve três fatores principais. Tecnologia, os softwares e hardwares, que possibilitam a criação de protótipos virtuais da edificações, incluindo características físicas e funcionais dos elementos construtivos aos modelos digitais. Os processos, que representam os novos métodos colaborativos de troca de informação e modo de desenvolvimento dos projetos e construção. E as pessoas, a parte mais importante do esquema, que lidam com a tecnologia e aplicam os processos, tendo a função de assimilar e desenvolver a utilização de métodos colaborativos de gestão.

Com a metodologia BIM, torna-se possível um maior controle de todo o processo, desde a concepção dos projetos até a etapa de operação, e posteriormente uma possível demolição. Esse controle é resultado de uma interação de todos os responsáveis pelo processo, em etapas anteriores as tradicionalmente realizadas (cada responsável entra no fluxo em uma etapa diferente e com pouca comunicação), possibilitando uma maior troca de conhecimentos e, o desenvolvimento de um modelo virtual que centralize as informações e seja uma fonte atualizada de dados para obra e pós-obra. Essa mudança implica na evolução de um processo fragmentado e desvinculado, para um trabalho colaborativo, que incorpora ao modelo o conhecimento e a experiência de todos os envolvidos, transformando-se em um banco de dados da construção e possibilitando diversas simulações de cenários. 

Mas não é tão simples. As modificações nos processos são acompanhadas de uma mudança cultural disruptiva, com alteração na maneira de colaboração, nos riscos, nas responsabilidades, nos entregáveis, no fluxo de informação, e consequentemente na remuneração de cada profissional. E, como toda mudança, ela vem acompanhada de um certa resistência, que exige confiança para ser ultrapassada.

E confiança não é algo que se ganha, mas se constrói. Logo, para que haja essa transição na maneira de encarar o empreendimento, é necessário provar o que se ganha com isso, qual é o valor dessa mudança. E, dificilmente um tomador de decisão, seja ele investidor, construtor ou incorporador, irá se propor a mudar os processos de maneira abrupta. Por isso que a utilização da metodologia possivelmente tenderá a evoluir de um método onde o modelo BIM é construído com base em objetos (representações 2D,)  a um integração em nuvem, onde todos os envolvidos têm acesso ao resultado do desenvolvimento do modelo, opinando e otimizando as soluções. Essa estrutura evolui de acordo com o grau de maturidade dos participantes, aumentando a colaboração, e consequentemente, os benefícios do uso da metodologia BIM.

Portanto, pode-se esperar que o mercado brasileiro aumente gradativamente a utilização de modelos BIM, começando pela etapa de projeto, onde pesquisas indicam redução de custos somente com representações 3D, e partindo para o uso na controle da execução e no pós-obra.  A estratégia BIM BR promovida pelo governo é um indicador que há uma confiança nos resultados obtidos pela metodologia, e que o processo é uma via de mão única, onde projetos sem informação irão se tornar insuficientes para atender aos níveis de qualidade exigidos.

Outros conteúdos:

Precisa de ajuda?

Fale com um de nossos especialistas

Preencha os campos abaixo para falar com um especialista da Otus
Precisa de ajuda?

Fale com um de nossos especialistas

Preencha os campos abaixo para falar com um especialista da Otus Educação